Carta aberta à maioria e também falando de emigração


Primeiro falemos de quem, de momento, é responsável pelo apoio à mobilidade do povo português, responsável pelo agora “famoso” programa VEM (Valorização do Empreendedorismo Emigrante) incluído no Plano Estratégico para as Migrações. Esse responsável é Pedro Lomba, o secretário de Estado adjunto do ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional… Desculpem, o quê? Adjunto ao ministro adjunto? Perdoem-me o francês, mas Merda para políticos a mais.

Segundo falemos do plano em si: antes era “Vai para fora se aqui não encontras emprego”, agora é “Volta que nós ajudamos”… Antes de mais, aqui vemos que os números totais de emigração em 2012 ultrapassaram os de 1960, que chegam aos 128.000 habitantes, somando desde 2011 chegamos a valores acima dos 350 mil emigrantes. O plano em si pretende apoiar, no seu início, entre 40 a 50 projectos, “bons projectos“, de retornados para que estes não enfrentem as dificuldades que sentiram quando tiveram que sair.

Acho que no total todo este “apoio” é absurdo, se um retornado tivesse uma ideia de projecto, teria tentado implementá-la antes de emigrar (já na altura se andavam a apoiar projectos empreendedores, já que tem sido moda), agora que volta, provavelmente terá os mesmos problemas que teve quando saiu, pois se o país não piorou, está na mesma. E 40 ou 50 projectos para 350 mil “retornados”? Absurdo.

Quero deixar aqui um bem grande “Bem feito!” a quem votou no PSD/CDS-PP e agora é emigrante, ou está desempregado e um “Ide à merda!” a todos os pseudo-políticos destes partidos que “pensam” no jovem emigrante que quer retornar (como eu).

Eu, no entanto, não pedirei um tostão ao Estado para apoiar qualquer projecto meu, nem espero ajuda de quem rouba mais do que dá. Prefiro que criem projectos e programas de apoio aos Professores que ainda aí estão e têm que viajar para a outra ponta do país por duas ou três horas de aulas, ou aos Enfermeiros que sofrem quase tanto quantos os pacientes de quem cuidam.. ou aos polícias que têm que pagar pelas próprias balas, ou aos bombeiros que tem que pagar a gasolina dos seus carros de emergência, ou mesmo aos orfãos que não tem pais porque vocês não permitem homossexuais adoptar.

Os emigrantes estão bem onde estão, não vão ser os vossos “apoios” que os vão fazer voltar.

Deixem-se de demagogias e projectos e programas para parecer bem nas próximas eleições. Ou isso, ou por favor, virem canalizadores que é uma profissão mais valiosa que a vossa.