Mais diálogos imaginários do Arroja e a mãe


Arroja: Ó mãe, tu sabes fazer pénis?

Mãe: Que puta de pergunta estúpida é essa, filho? Claro que não!

A.: E o pai, mãezinha, o pai sabe fazer pénis?

M.: O teu pai? Desajeitado como ele é, saberia lá fazer uma coisa dessas!

A.: Ah…

M.: Mas sabes quem há-de saber? Um médico ou um geneticista! É que a ciência moderna já encontrou a solução para mistérios que antes eram domínio dos milagres, a que já não podemos recorrer para formar argumentos estapafúrdios para debater as questões sociais mais básicas.

A.: Está bem. Olha. É verdade que os homens são todos uns brutamontes e as mulheres todas umas atadas?

M.: Tu és a prova viva do contrário, filho.

A.: Ó mãe, e é verdade que os negros não trabalham porque gostam muito de sexo?

M.: Valha-me Santo Deus, José Pedro, que me fazes arrepender de ser contra o aborto!